Poesia

Sentires matinais

Sons celestiais
Perfumes divinais
Auroras boreais
Calores infernais
Sabores angelicais
Interiores vendavais
Esfuziantes carnavais.

Ver-te foi causa de estranhas sensações
Foi compulsiva e violenta inquietação,
Palpitante bater descompassado,
Num peito em total emaranhado.

Foste hoje raio de sol na manhã cinzenta,
És a doce calma e paz, mas causa de tormenta.

Terá sido esse o meu dia de maior sorte,
Abençoado nessa manhã o acordar
Por contigo, nas entranhas da terra, cruzar o olhar.

Naquela hora, o tempo parar eu queria,
Fora tal possível, juro que o faria.

Mais até, tudo trocava em intenso desnorte,
Para ter-te, de bom grado, aceitaria a vil morte.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *