Diário

A execução orçamental e o pacote de medidas do ministro Álvaro.

O ministro Alvaro hoje no final do conselho de ministros apresentou um listado de medidas que se forem à prática podem trazer benefícios à nossa economia. Mau é se for apenas propaganda para acalmar os contestatários.
Os anúncios de boas medidas foram em catadupa, apenas se pergunta, porquê agora e só agora, estas medidas que não custam dinheiro ao estado, do que depreendo, já não podiam ter sido há mais tempo? Em nosso entender, podiam e deviam tal como temos vindo a dizer faz meses ou anos. Até pareço o Cavaco a autoelogiar-se.
Anúncios ao minuto do ministro Alvaro. In Expresso
Bom admitamos que vale mais tarde do que nunca. O que nos parece bem seja anunciado por quem for será sempre bem-vindo, acho que o governo é incompetente, mas nunca direi mal de medidas que me parecem bem. Veremos se passam à prática e de que forma vai ser distribuído o montante dos financiamentos por regiões e setores de atividade, além de que condicionalismos serão colocados na análise do risco por parte da CGD, na atual conjuntura se não aligeirarem os critérios, o dinheiro será para os mesmos de sempre. Os que não precisam dele.
Hoje nem pareço o MALDOSO CAMPÓNIO dos outros dias, tão bem estou a tratar o governo, pois bem, contra as minhas previsões a execução orçamental do 1º trimestre nem correu assim tão mal como eu previa, embora revele um continuo afundar da economia pela baixa brutal da receita proveniente do I.V.A. É que exportar não gera I.V.A, já alguém teria pensado nisso? As mais-valias geradas na transformação para a exportação são isentas de I.V.A ao abrigo do nº 14 do artº 1 do CIVA. Depois outra atividade que gerava brutais receitas de I.V.A era a construção e agora está absolutamente parada ou quase.
Bem sei que esta analise não leva em linha de conta a devolução que vai ter de fazer por via do chumbo do TC a certas medidas. De qualquer das formas, ainda que não estejam contabilizadas, se estivessem não se passaria o limite acordado com a Troika, essa já é uma excelente noticia. Esperemos que a coisa se confirme e que os números não tenham sido manipulados.
Pois hoje e após desgraças consecutivas o governo teve um dia bem simpático e que pode ser um dia bem interessante para os portugueses a passarem à prática os anúncios do ministro Alvaro e os números da execução serem os apontados.
Ver noticia da analise da execução orçamental in Expresso
Agora em Maio virá o orçamento retificativo que acomodará todos os desvios, logo veremos o que trará de cortes e o que isso provocará na receita e despesa até final do ano.
Para concluir, sempre achámos este governo incompetente, e muito provavelmente estas medidas mais não são que o serenar as coisas por agora em termos políticos e de contestação, se assim for não passarão à prática e não sortirão nenhum efeito positivo sobre a economia e o descalabro continuará até à debacle final.
Mas estas medidas por si só nunca chegarão, e teremos de cair no segundo resgate e nem por isso eu acho que será pior, antes pelo contrário. Tranquiliza-me muito mais que voltar aos mercados nas condições frágeis em que estaremos por muito tempo, e cair nas mãos dos especuladores. Começarei a moderar a minha classificação de incompetência do governo se falar a verdade e anunciar a negociação de um segundo resgate. Já se viu que não vamos ter dinheiro a taxas decentes nos mercados. Se a Troika ficar, mas devidamente subordinada e a fiscalizar o acordado mas este acordo for simpático para Portugal, pois fique e seja bem-vinda.
Continuo a achar que estes três credores nos deviam emprestar tudo o que precisamos para lhes ficar a dever só a eles e assim se ir reduzindo as necessidades de financiamento nos mercados como objetivo de começar a baixar o rácio da divida no PIB.
ESTE GOVERNO NÃO PASSOU DE BESTA A BESTIAL, MAS NEM O MAIS INCOMPETENTE DOS GOVERNOS FAZ SEMPRE TUDO MAL. HOJE TEM O NOSSO BENEFICIO DA DÚVIDA, NÃO O NOSSO APLAUSO, PORQUE GATO ESCALDADO DA ÁGUA FRIA TEM MEDO.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *