Diário

Os valores do 25 de abril e a entrevista do ex-Sec. Estado da Energia.

Esta madrugada vi e ouvi o Eng. Henrique Gomes, na SIC noticias a falar da razão da sua demissão. Porque não fez o mesmo o ministro Alvaro perante a desautorização?
Como não posso colocar a ligação para o vídeo do programa porque a SIC não disponibiliza gratuitamente, deixo um vídeo onde Jose Gomes Ferreira, o entrevistador fala deste assunto.
Ver aqui o vídeo
Pelas razões que JGF aqui fala, eu digo que tendo prestado atenção à entrevista fiquei estarrecido com a situação e um adepto incondicional do eng. Henrique Gomes, ex membro deste governo de ignorantes e incompetentes. Admiro gente de valores e que não está agarrado ao poder, mesmo que não seja da minha cor política.
Junto outra noticia agora da TVI que esclarece o que iria dizer o homem no ISEG, e do que foi impedido, tendo assim pedido a demissão por razões pessoais. Ouça-se também o que diz o principal beneficiado deste imbróglio, António Mexia, que assim continuará a receber 3.000.000€ de prémios anuais “roubando-os” aos seus concidadãos.
Vídeo notícia TVI
O homem foi pura e simplesmente impedido de falar deste assunto das rendas excessivas pagas ao setor elétrico. Tudo porque afrontava a EDP e os seus acionistas, sobretudo a banca portuguesa e internacional. Ele disse-o sem rodeios, elogio-lhe a coragem e frontalidade.
Como se vê alguém que afronta os grandes interesses, tentando assim defender o estado e assim os portugueses em geral, é imediatamente posto à margem.
Ele tentava poupar algo como 4.900.000.000€ ao estado a pagar à EDP até 2020 e por isso foi logo corrido. É muito mais fácil tirar esse valor aos desgraçados dos pensionistas e desempregados e funcionários públicos e despedir pessoas dos hospitais e escolas, que cortar nos ganhos criminosos destes parasitas bem cimentados na oligarquia do poder económico.
Para exemplo digo que só no setor das renováveis, a EDP em Portugal tem uma rentabilidade liquida, segundo ele, de 46%. Enquanto no resto da europa apenas 12% e no resto do mundo ainda menos que isso.
Este primeiro-ministro e o seu ministro Alvaro, entre fazer o que era certo ou deixarem-se comandar pelo poder económico, escolheram o que tipicamente escolhem os incompetentes, deixar cair o secretário de estado.
Questiono porque terá ficado o ministro Alvaro, que apoiava a estratégia do ex sec. de estado , tendo sido desautorizado desta maneira pelo PM? Ele que até é independente e tem o seu ganha-pão assegurado dando aulas numa universidade fora de Portugal? Se num dia faço a sua defesa, logo no outro tenho de o criticar. Triste sina, a do Alvaro.
Concluo dizendo que o ideal do 25 de abril de 74 está por alcançar hoje ainda, 39 anos depois da revolução dos cravos. Uma parte desse ideal era o ter os mais sérios e honestos a governar, bem se vê por esta situação que só governam os que se deixam manipular pelo poder económico. Era contra isto que muitos lutavam no tempo do fascismo.
DEPOIS DESTA ENTREVISTA SE A OPOSIÇÃO SOUBER SER CAPAZ, DEVERÁ CHAMAR AO PARLAMENTO ESTE SENHOR E APURAR ATÉ QUE PONTO A EDP PODE TER O SEU PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO A ABRIR CHAMPANHE, À CONTA DO ESTADO, APENAS PORQUE CONSEGUIU FAZER DEMITIR UM HOMEM SÉRIO.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *