Diário

Gaspar e as suas certezas. Ou serão incertezas?

Hoje ouvimos na comissão de orçamento e finanças o senhor ministro das finanças dizer que provavelmente a comissão europeia vai dar mais um ano para corrigir a situação de deficit excessivo.
Ajudem-nos a perceber, já será o segundo alargamento de prazo, ou estou enganado? Primeiro mudando o valor admissível para 2012 e agora dando mais um ano para ficarmos abaixo dos 3%. Mas não era isto que o inseguro Seguro vem dizendo faz quase dois anos?
Sempre foi afirmado pelo senhor ministro e mesmo pelo seu chefe, ou menos chefe, Coelho, que esta era uma situação impossível e impensável. Estão então agora a apresenta-la como um triunfo e um belíssimo trabalho? Está esta gente a fazer de nós parvos? Claro que está a tentar fazê-lo, mas não vai ser capaz.
Estão a fazer agora o que deviam ter começado a fazer no final de 2011 e se percebeu o que nos ia acontecer. Fazem-no agora porque tal como dizia-mos no final de 2011, tudo está a sair ao contrário das previsões desta gente. Pior a economia está à beira da rutura e os portugueses à beira da insustentável situação da pobreza generalizada ou pelo menos de enorme dimensão.
Fizeram asneira, e agora de acordo com as indicações do professor Marcelo, tentam alterar o rumo mas sem admitir que o anterior era errado. A isto chamo falta de honestidade, nada de estranhar desta gente. Desde que tomaram posse até hoje nada saiu como diziam que ia sair.
Esta gente não é séria e nada faz de forma honesta em termos de nos informar devidamente. Vamos precisar de mais tempo, mais dinheiro, ou seja novo resgate, mesmo com os juros a cair, se não mudarem radicalmente de rumo. Precisamos de fazer crescer a economia com carater de urgência e de dinamizar a criação de emprego. Sim e pode ser o estado a fazer isso, não por decreto mas com iniciativas e programas que ajudem as pequenas empresas a fazê-lo.
Mas pasme-se com aquilo que diz o senhor PM, mais programas com ajudas a título de empréstimo reembolsável em detrimento dos subsídios a fundo perdido. Com que justificações se pedem apoios à UE a fundo perdido para os países em vez de empréstimos reembolsáveis? Esta gente pensa que todos são iguais a eles, querem o dinheiro apenas para enriquecer e não para fazer nada com ele. Devo dizer que concordo com o reembolsar os apoios, e sendo estes com baixos ou mesmo zero, mas não pelas razões que aponta o PM, apenas para que o país não tenha de se endividar.
ESTA GENTE PENSA TUDO DA FORMA ERRADA E OLHA PARA OS CIDADÃOS COMO CRIMINOSOS E VIGARISTAS EM POTENCIAL.
SÃO INJUSTOS E JULGAM OS OUTROS PELAS SUAS IDEIAS DE MUNDO E ECONOMIA. OS HONESTOS; CLARAMENTE PENSAM DIFERENTE DESTES SENHORES QUE NOS GOVERNAM E OUTROS QUE ENTENDEM A IDEIA DELES COMO ACERTADA.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *