Reflexões

Os alinhadinhos

Para nós, os alinhadinhos e bem comportados, aqueles que se julgam e querem puros, os que nunca abusam da sorte, os que querem a vida sempre com norte, sejam burros ou doutores, se a vida lhes for curta, será para eles e para os outros uma enorme sorte.
Quem não corre riscos verdadeiramente não vive, apenas existe quem sempre é cordato e comedido, passa pela vida sem causa e no fim nada fez sentido.
Afrontar o instituído, o politicamente correto é por vezes uma obrigação, para abrir mentes fechadas e retrogradas. Ainda que não nos aceitem, nos chamem de tolos ou mal-educados, faremos da vida uma luta, e não, não temos medo, enfrentamos sem nenhuma condição qualquer filho-da-puta.
O mundo está cheio de hipócritas, cheio dos que pensam em tudo alcançar, mas falam meigo e com doce tom, acham que se bem embalada qualquer merda é produto bom.
Não, não queremos essa gente, são trapaceiros e perigosos, impedem o mundo de avançar, formatam cabeças escravas, usam receitas antigas. E não, não os queremos sejam belos ou feios, sejam cigarras ou formigas.
Esses alinhadinhos, se um dia mandam, o nosso mundo fazem mau sítio e do viver um inferno com caldeirões onde nos cozam. Por isso gritamos bem alto e sem medo: os alinhadinhos que se fodam.

Standard

Um comentário em “Os alinhadinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *